Press enter to see results or esc to cancel.

Se faça substituível

Eu percebi que era substituível e que fazia coisas para ser quando ouvi um dos melhores elogios que recebi até hoje. No meu último dia de trabalho na ThoughtWorks, Renato que trabalhava ao meu lado, me disse que aquele não tinha parecido meu último dia, parecia como qualquer outro.

Você chegou e trabalhou normalmente, não rolou um desespero de tentar finalizar alguma tarefa ou passar para alguém. E também não estava lá sem fazer nada.

Foi exatamente isso que aconteceu, eu cheguei, abri meu Mac, trabalhei, fiz pair, participei de reuniões. No final do dia, fechei meu computador e a única diferença é que dessa vez não guardei ele, devolvi para a empresa.

Antes de começar quero deixar explícito que substituível para mim é bem diferente de ser inútil. Não significa que você não agregue ao projeto ou equipe, e sim, que outras pessoas conseguem fazer o que você faz (não necessariamente da mesma maneira), mas que consigam atingir os mesmos objetivos com ou sem você.

Nesse texto falo um pouco das reflexões que fiz sobre porque acredito bom ser substituível. Separei em 3 tópicos: Compartilhar conhecimento, Descansar e Novos desafios


Compartilhar conhecimento 📚

Essa não é bem uma vantagem, e sim uma coisa que é necessário exercitar para que você consiga ser substituível.

Compartilhar conhecimento/contexto das coisas que você sabe e está atuando num projeto é a melhor maneira de fazer com que tenham outras pessoas habilitadas a fazerem o que você está fazendo.

Uma coisa que acontece em vários lugares que eu passo é falta de contexto, quantas vezes já não peguei uma tarefa que não tinha explicação do que se tratava ou que tinha comentários como: “Falar com tal pessoa para mais detalhes”. Portanto, quando for criar uma tarefa tente colocar o máximo de contexto que achar necessário:

  • Contexto de negócio (porque estamos fazendo isso?)
  • Contexto técnico (já teve alguma análise? tem alguma coisa que deveria ser vista junto com a implementação?)
  • Links para recursos externos (diagramas, design de telas, etc…)

Essas são algumas das informações que acredito interessante ter, você coloca alguma coisa diferente? Compartilha, fico curioso 🙂

Quando falamos sobre conhecimento técnico isso pode ser feito de várias formas. Não necessariamente precisa reservar tempo do time para explicar o que está fazendo ou passar conhecimento.
O que mais faço é *parear* ou *mobar* o maior tempo possível, automaticamente pelo menos mais uma pessoa está ganhando contexto e conhecimento.
Acho que aqui cabe a leitura do texto Desapego para um desenvolvimento ágil escrito pela Deyse Delamura

Descansar 🌴

É isso, se tem mais pessoas habilitadas a fazerem o que você faz, mais fácil é poder tirar férias ou aquelas folgas que tem guardadas.

Sei que existem outras coisas que influenciam para poder tirar férias/descanso, mas aqui estou dizendo que acredito que isso facilita.

E além de ausências programadas, existem também situações emergenciais que precisamos nos ausentar e nesses casos acho que é pior, além da emergência eu ficava pensando no projeto, se iam lembrar de alguma coisa específica que eu sabia, mas não sabia se todo mundo sabia 🤷‍♂️

Nos casos emergenciais são mais complicados porque não da para planejar a passagem de contexto, se ela não é natural no dia-a-dia não vai acontecer.

Como você fica quando precisa sair de férias? Ou quando acontece uma emergência?

Novos desafios 🚀

Para você poder sair da posição que está em uma empresa, outra pessoa precisa ir para o seu lugar, caso contrário você vai acabar acumulando cada vez mais responsabilidades e isso não vai terminar bem. Se as pessoas que trabalham com você estão aptas a fazerem o que você faz, fica mais fácil você poder parar de fazer aquilo e ir fazer novas coisas, pois o impacto vai ser menor.

E pense que isso não precisa ser apenas dentro da empresa! Você quer ir para outra empresa, mas não é legal sair com as portas fechadas, não é mesmo?

Se você tem trabalhado a passagem de conhecimento e compartilha contexto com sua equipe, quando você sair o impacto com certeza não será tão grande. Isso ajuda a não ter um peso tão negativo a sua saída, e no meu ponto de vista é uma excelente característica como profissional.


Voltando ao feedback que recebi, por que meu último dia foi igual aos outros dias de trabalho?

Porque eu sabia que não tinha nada que somente eu sabia no time, eu poderia trabalhar normalmente no código pois estava pareando e mesmo que não terminasse a tarefa, a pessoa que estava comigo continuaria normalmente no dia seguinte. E até o último dia, embora eu fosse substituível minhas opiniões eram importantes nas reuniões e design de código.


O que acha de ser substituível? Você vê isso no seu dia-a-dia acontecendo?

Abraços


Photo by Brett Jordan on Unsplash

Tweet about this on TwitterShare on FacebookShare on LinkedInEmail this to someone
Comments

Comments are disabled for this post